Etnotaxonomia guará

Nos pampas, chacos e cerrados da sudamérica ainda trafega, em números cada vez mais perigosamente baixos, o lobo guará . É curioso o entrelaçar e desentrelaçar nas distinções do bicho entre cientistas cosmopolitas, brasileiros da cidade e da roça, e os vários índios de fala tupi-guarani, jê e guaikuru, todos atentos, por razões próprias, a uma taxonomia guará.

C. brachyurus

Para  o brasileiro vivente do cerrado (cidade ou campo), muitas vezes consumidor também de fábulas e iconografias européias e norte-americanas, a atenção à pelagem avermelhada, pernas pretas e focinho comprido grudam o animal à raposa vermelha. A taxonomia da parecença, fundada no viver do observador. O lobo guará vira raposa.

P. vetulus

Para o cientista, esse apaixonado pelo explicar, e que explica o vivo pelo fio de costura e descostura no tempo que é a evolução, o Chrysocyon brachyurus habita gênero próprio na família Canidae, mais próximo até do Canis (grupo do lobo que lhe também nomeia em português) que do Vulpes, da raposa vermelha. O entrelaçar entre o brasileiro do cerrado e o cientista se dão em dois pontos da taxonomia de um e de outro. Raposa, no Brasil, também não é a raposa vermelha. Recebe esse nome, entre outras, a raposa do campo – Pseudalopex vetulus – mais aparentada, segundo a taxonomia acadêmica, ao guará . O lobo guará vira raposa, novamente.

D. australis

Um curioso animal foi descrito pelo próprio Darwin nas ilhas Malvinas, Dusicyon australis, endêmico às ilhas ao que parece, e extinto ao final do século XIX. O canídeo foi redescrito em 2009, com a colaboração dos geneticistas, está claro, como a espécie mais próxima, que se tem notícia, do lobo guará . O bicho era chamado, pelo velho naturalista inglês, Falkland Islands fox. O lobo revira raposa pela intricada via da descrição popular na boca de um cientista.

H. sapiens et C. lupus

Três famílias de línguas, de índios que ainda trafegam nos pampas, chacos e cerrados da sudamérica, também apontam pro lobo guará e fazem surgir três outras taxonomias, nenhuma totalmente surda às anteriores, mas co-fabricantes do falar sobre esse canídeo e sobre os canídeos. O nome em português, ao lado de lobo, já incorpora o nomeação tupi-guarani, guará. Segundo alguns de ago’ará (pelo de penugem), e de todo modo aguará-guaçu, cachorro ou raposa grande, para uns tantos povos guaranis. Os índios gaviões, que falam uma língua jê, fazem algo parecido com os cientistas. Chamam cachorro de tchô, chamam raposa de tcho-rê (cachorro pequeno) e o lobo guará de tcho-tê (cachorro grande). Todos da mesma família tchô, entrelaçando (na parecença dos gaviões, é claro, pois todos que nomeamos somos observadores) os canídeos na distinção.

Dos índios tobas, que falam uma língua guaikuru, assim nos conta Laura Steiman, do seu sítio Aguará Guazu:

Los indios tobas nos cuentan esta historia. El término Aguará Guazú es un vocablo guaraní. Los tobas lo llaman Kalak, y en su clasificación zoológica lo apartan del mundo de los zorros. Para ellos el Kalak es un ente en sí mismo sin contacto alguno con el guayaga (zorro). Numerosas veces, tomando mate alrededor del fuego con mis amigos e informantes tobas, he oído de sus labios acerca de la llamada nocturna que hace el kalak a la hembra y de cómo esta responde a la distancia. Como se van llamando y cómo se van acercando. También he escuchado que es “malo”(tabú) matar a a un kalak; que no hay que” mariscar”(cazar) al kalak.

No hay que mariscar el kalak. Ou o lobo guará. Ou a raposa. Ou o tchô. Mariscados – enredados – estamos todos nós na caninidade por nós descrita. E nem sempre do mesmo modo, ou do mesmo mundo.

Anúncios
Esse post foi publicado em Lingua Linguagem e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s