Cat people

Na sala de espera somente nós dois.
Escolho o canto esquerdo junto ao banheiro feminino.
Na parede oposta lê Veja uma mulher.
– Esconde Veja a beleza do rosto.

Pernas cruzadas, bota preta.
Perfeito joelho, notei, a saia é curta e xadrez.
Giro os olhos, cruzo o joelho e a Veja.
– Gata em pele de gente na capa.

Natassja Kinski abaixa a Veja.
Verdizolhos nos verdizolhos de Natassja.
Vertiginosamente constrangedores.
– Nada abala a Srta. Kinski.

Diretos e duros e doces os dois.
Grudadozolhos nos meus e os meus nem se fala nos dela.
Ganha a tensão dimensões de grito abafado.
Deixo o limite e a libido à cavalo.

Vou de texano de esporas sangrentas?
Dou de parisiense desistencialista do amor sem pecado?
Vidiando a tez de Natassja Kinski? Obrigado:
– Divago no claustro doutor em que estamos.

Nele me estanco prostrado entre garras.
No espaço eterno eu e a penumbra, a gata e a Veja.
Na espreita, a pantera. Goza a verdade do drama:
– Nuvem se esgueira por meu pensamento.

Pesavam em Natassja problemas legais?
Eu digo: Sabe a Srta. Kinski ler português?
Ela: I beg your pardon? O advogado:
– Pode entrar Sra. Monteiro.

Publicado em Bio Arte | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Etnotaxonomia guará

Nos pampas, chacos e cerrados da sudamérica ainda trafega, em números cada vez mais perigosamente baixos, o lobo guará . É curioso o entrelaçar e desentrelaçar nas distinções do bicho entre cientistas cosmopolitas, brasileiros da cidade e da roça, e os vários índios de fala tupi-guarani, jê e guaikuru, todos atentos, por razões próprias, a uma taxonomia guará.

C. brachyurus

Para  o brasileiro vivente do cerrado (cidade ou campo), muitas vezes consumidor também de fábulas e iconografias européias e norte-americanas, a atenção à pelagem avermelhada, pernas pretas e focinho comprido grudam o animal à raposa vermelha. A taxonomia da parecença, fundada no viver do observador. O lobo guará vira raposa.

P. vetulus

Para o cientista, esse apaixonado pelo explicar, e que explica o vivo pelo fio de costura e descostura no tempo que é a evolução, o Chrysocyon brachyurus habita gênero próprio na família Canidae, mais próximo até do Canis (grupo do lobo que lhe também nomeia em português) que do Vulpes, da raposa vermelha. O entrelaçar entre o brasileiro do cerrado e o cientista se dão em dois pontos da taxonomia de um e de outro. Raposa, no Brasil, também não é a raposa vermelha. Recebe esse nome, entre outras, a raposa do campo – Pseudalopex vetulus – mais aparentada, segundo a taxonomia acadêmica, ao guará . O lobo guará vira raposa, novamente.

D. australis

Um curioso animal foi descrito pelo próprio Darwin nas ilhas Malvinas, Dusicyon australis, endêmico às ilhas ao que parece, e extinto ao final do século XIX. O canídeo foi redescrito em 2009, com a colaboração dos geneticistas, está claro, como a espécie mais próxima, que se tem notícia, do lobo guará . O bicho era chamado, pelo velho naturalista inglês, Falkland Islands fox. O lobo revira raposa pela intricada via da descrição popular na boca de um cientista.

H. sapiens et C. lupus

Três famílias de línguas, de índios que ainda trafegam nos pampas, chacos e cerrados da sudamérica, também apontam pro lobo guará e fazem surgir três outras taxonomias, nenhuma totalmente surda às anteriores, mas co-fabricantes do falar sobre esse canídeo e sobre os canídeos. O nome em português, ao lado de lobo, já incorpora o nomeação tupi-guarani, guará. Segundo alguns de ago’ará (pelo de penugem), e de todo modo aguará-guaçu, cachorro ou raposa grande, para uns tantos povos guaranis. Os índios gaviões, que falam uma língua jê, fazem algo parecido com os cientistas. Chamam cachorro de tchô, chamam raposa de tcho-rê (cachorro pequeno) e o lobo guará de tcho-tê (cachorro grande). Todos da mesma família tchô, entrelaçando (na parecença dos gaviões, é claro, pois todos que nomeamos somos observadores) os canídeos na distinção.

Dos índios tobas, que falam uma língua guaikuru, assim nos conta Laura Steiman, do seu sítio Aguará Guazu:

Los indios tobas nos cuentan esta historia. El término Aguará Guazú es un vocablo guaraní. Los tobas lo llaman Kalak, y en su clasificación zoológica lo apartan del mundo de los zorros. Para ellos el Kalak es un ente en sí mismo sin contacto alguno con el guayaga (zorro). Numerosas veces, tomando mate alrededor del fuego con mis amigos e informantes tobas, he oído de sus labios acerca de la llamada nocturna que hace el kalak a la hembra y de cómo esta responde a la distancia. Como se van llamando y cómo se van acercando. También he escuchado que es “malo”(tabú) matar a a un kalak; que no hay que” mariscar”(cazar) al kalak.

No hay que mariscar el kalak. Ou o lobo guará. Ou a raposa. Ou o tchô. Mariscados – enredados – estamos todos nós na caninidade por nós descrita. E nem sempre do mesmo modo, ou do mesmo mundo.

Publicado em Lingua Linguagem | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

A tigresa fala

No zoológico de Leipzig, vivia ali por volta de 2004, se não vive ainda, uma imponente tigresa adulta. No caminho para o laboratório, passávamos todos – alunos, pesquisadores, tratadores, visitantes – pelos fundos dos recintos noturnos do zoo, e no meio do caminho havia a tigresa. Livre do horário de visitação, a gata rondava a cela naquele autismo característico do felino enjaulado, de um canto a outro, repetidamente.

O entardecer do inverno alemão, o céu rubro-cinza cortado pela silhueta da tigresa em movimento, os olhos brilhando. Muitos de nós não víamos ali um pobre animal aprisionado, mas uma fera poderosa, pronta para saltar sobre o cardápio de BSs, MSs e PhDs e suas respectivas reputações acadêmicas.

O corpo da tigresa, já sem listras nítidas (e é preciso nitidez no óbvio?) no anoitecer, fala com todos os que observam, diz por ser corpo e ser vivo, e diz por ser corpo no observar de outros corpos. Ouvir a lingua dos corpos não está no cardápio de opções do vivo e daqueles que falam sobre o vivo. O prato é servido quente, ininterruptamente, da alvorada ao ocaso de todos os seres.

Publicado em Lingua Linguagem | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

O gato preto: primeiras pegadas

Não é uma descrição do blog, nem uma carta de intenções. As palavras iniciais de O Gato Preto, de Poe, sugerem a possibilidade de que o doméstico e o assomboso (o familiar e o único) se alimentam e se fazem multiplicar, pois desde o início não formam um par, mas uma multidão.  As pegadas do gato iluminam o caminho que se bifurca à exaustão.

“Não espero nem peço que se dê crédito à história sumamente extraordinária e, no entanto, bastante doméstica que vou narrar. Louco seria eu se esperasse tal coisa, tratando-se de um caso que os meus próprios sentidos se negam a aceitar. Não obstante, não estou louco e, com toda a certeza, não sonho. Mas amanhã morro e, por isso, gostaria, hoje, de aliviar o meu espírito. Meu propósito imediato é apresentar ao mundo, clara e sucintamente, mas sem comentários, uma série de simples acontecimentos domésticos”.

Edgar Allan Poe, O gato preto, 1843

Publicado em Inicio | Marcado com , , , | Deixe um comentário